Biologia

Acidificação dos oceanos e impactos sobre organismos com conchas

Uma das preocupações recentes com o aquecimento global é que a alta concentração de CO2 na atmosfera altere a química dos oceanos. Vejamos, muito dos efeitos da mudança climática foram atrasados pela capacidade do oceano em absorver o dióxido de carbono atmosférico. Isto foi bom para o clima por um tempo, mas foi péssimo para a vida marinha. Quando o mar absorve o CO2 atmosférico ele torna-se mais e mais ácido e isto muda a dinâmica de nutrientes necessários à vida no oceâno. Este processo é conhecido como acidificação e é extremamente prejudicial principalmente para organismos que dependem de carbonato de cálcio dissolvido na água para formar suas conchas calcárias como corais, foramnínferos, equinodermos e algas coralinas.

O impacto da acidificação no desenvolvimento de duas espécies de mariscos foi o tema de um artigo, publicado no PNAS e divulgado no ScienceDialy.

O trabalho é dos pesquisadores da Stony Brook University: Christopher J. Gobler e Stephanie C. Talmage. Eles conduziram experimentos para avaliar o impacto das concentrações de CO2 na água do oceano no desenvolvimento de larvas de mariscos comerciais (Mercenaria mercenaria e Argopecten irradians). Os animais foram cultivados em diferentes concentrações de dióxido de carbono na água que representavam as condições do planeta antes e depois da Revolução Industrial, a qual foi decisiva para as mudanças recentes da concentração de carbono na atmosfera com o início da queima de larga escala de combustíveis fósseis. Segundo os autores, o estudo da acidificação do oceano é recente e demanda mais atenção; enquanto as temperaturas globais subiram apenas 8% as concentrações de CO2 nos mares aumentaram em 40%.

 

Mercenaria mercenaria
Isso com sal e limão... hum...

 

Os resultados mostraram que as larvas cultivadas em concentrações pré-revolução industrial, aproximadamente 250 ppm, tiveram uma sobrevivência maior com conchas mais robustas e crescimento mais rápido do que as cultivadas em concentração de 390 ppm. Ademais, larvas cultivadas nas concentrações previstas para o final deste século apresentaram problemas de formação nas conchas. Isto mostra a quais tipos de pressões evolutivas estarão expostos este animais e quais tipos de impactos já sofreram nas ultimas décadas desde a Revolução Industrial.

 

Stephanie C. Talmage And, Christopher J. Gobler. Effects of past, present, and future ocean carbon dioxide concentrations on the growth and survival of larval shellfish. Proceedings of the National Academy of Sciences, September 20, 2010 DOI: 10.1073/pnas.0913804107

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s